sexta-feira, 7 de setembro de 2012

O “NOVO” ESTADO LAICO = O VELHO TOTALITARISMO

 

 

por Luís Afonso Assumpção


Resumo: O Estado Laico como pregam é uma fantasia, uma reinterpretação da velha encarnação de Estado Laico – o comunismo.
© 2007 MidiaSemMascara.org

Toda esta discussão sobre o Estado Laico, aquela abstração pretendida pelos liberais-ateus na qual qualquer aspecto religioso, ou que pareça religioso, tem de ser eliminado da vida cultural da sociedade – de modo a permitir uma verdadeira “liberdade” dos indivíduos – tem vários problemas congênitos.
O primeiro tem a ver com a definição do que seja ‘liberdade’. A vontade de eliminar qualquer traço religioso ou meramente metafísico, traz embutida a concepção de que, por definição, os crentes não gozam de verdadeira liberdade pois estão “presos” a um sistema de crenças irracionais. Eles pretendem ser então os “libertadores” dos grilhões da ‘fé’, numa versão farsesca daquilo que pretendem denunciar.
Também acabam igualando-se aos marxistas e comunistas que consideravam a religião o ‘ópio do povo’. É impossível negar que o liberalismo como ideologia se iguala ao comunismo em sua auto-imagem totalitária e elitista de uma ‘vanguarda revolucionária’, que tem por missão destruir ou minimizar qualquer aspecto cultural – religiões, especialmente as judaico-cristãs – que impeçam o seu avanço.
A entrevista de Tarso Genro à “Veja” da semana passada corrobora esta ligação improvável à primeira vista. Nela, Tarso afirma: “Lênin conseguiu introduzir, num país atrasado (sim, a Rússia era atrasada também porque tinha uma cultura profundamente religiosa!), princípios politicos e organização política modernos, que, mais tarde (muito mais tarde!!), se revelaram como uma Revolução Francesa tardia”. Em outro trecho afirma que “Antonio Gramsci foi o grande intérprete da cultura política revolucionária originária do Renascimento e do Iluminismo”.
Em suma, tanto comunistas como liberais iluministas pretendem criar um ‘novo homem’. Para isso, destruir ou minimizar a religião ocidental é necessário. Para comunistas, para permitir que a tal ‘consciência de classe’ aflore; para liberais, o ‘cientificismo ateu’. Ambos parecem não sobreviver à visão de um simples crucifixo.
A outra contradição vem a ser o fato de que o liberalismo prega o laisez-faire para a economia, que é a não intervenção do Estado, mas não pode prescindir do Estado para realizar a suas fantasias de Estado Laico. Somente tornando-o um Estado policialesco e totalitário, extirpando os traços religosos à força, é que o objetivo poderá ser atingido. A contradição é evidente.
O Estado Laico como pregam é uma fantasia, uma reinterpretação da velha encarnação de Estado Laico – o comunismo. Não é uma experiência “nova” e libertadora como tentam provar mas exatamente o seu contrário. A experiência real mais próxima deste Estado Laico foi mesmo o comunismo real implantado na Rússia, China, Vietnam, Camboja, Cuba… Mesmo nestas experiências, a tentativa de eliminar por completo a religião falhou, derivando para a estratégia de contaminá-la por dentro.
Por último, apontar a derrocada do comunismo a simples fator econômico é outro erro brutal. O colapso do comunismo não se deu pela incapacidade de encher as prateleiras dos supermercados, mas sim pela tentativa de eliminar a religião por completo de sociedade. A decadência moral conseqüente é algo que nem a ‘democracia’ e o ‘livre-mercado’ atuais vão corrigir. O fato de a Rússia atual ser um país de mafiosos e a China exportar orgãos humanos de prisioneiros políticos assassinados é a consequência do que Alexander Soljenitsyn já apontava: os homens se afastaram de Deus. E quanto maior a distância, menor a humanidade.
 
 
Divulgação:
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário