segunda-feira, 9 de maio de 2011

Suprema Tirania Federal: STF e seu despotismo pró-sodomia

O jeitinho brasileiro do STF na interpretação da Constituição vai parar na sodomia ou na pedofilia?

Julio Severo - http://juliosevero.blogspot.com/

Na decisão de legislar à força para todo o Brasil a união civil homossexual (com o bônus inevitável e trágico da adoção de crianças por duplas gays), os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) mostraram que, se o Congresso demonstrar alguma demora ou indisposição para aprovar uma lei politicamente correta exigida por extremistas socialistas, o STF vai tomar o assunto em suas próprias mãos.

E se o Congresso, sob pressão do povo que o representa, não aprovar o PLC 122 ou o aborto? O jeitinho brasileiro do STF poderá novamente entrar em ação. Jeitinho de despotismo, sem dúvida, que vem marcando o Judiciário brasileiro.

Em outubro do ano passado, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao perder a paciência, demitiu sumariamente, sem nenhuma base moral e legal, um jovem funcionário do STJ. Conforme o jornal O Globo, tudo o que ele precisou dizer ao rapaz foi: “Sou Ari Pargendler, presidente do STJ, e você está demitido, está fora daqui”. Ordem arbitrária dada. Demissão cumprida.

O STF é diferente? Com sua recente decisão impondo legitimidade, com uma criatividade incrível para distorções constitucionais, à união homossexual (e seu bônus de adoção de crianças por duplas gays), os ministros do STF praticamente disseram ao Brasil:

“Somos o STF e a moralidade, os bons costumes, as tradições cristãs, os valores da família e os valores constitucionais estão demitidos. Fora daqui!”

Ordem arbitrária dada. União homossexual legitimada.

Com o STF legislando no lugar do Congresso, o papel dos parlamentares se tornou desnecessário, especialmente em assuntos caros ao STF, como a sodomia. Qualquer coisa que os supremos déspotas de togas declararem constitucional, será constitucional, independente do que diga a Constituição, a maioria do povo e do Congresso. Aliás, pesquisas já mostraram que a maioria do povo brasileiro não aceita a união civil homossexual. Pelo jeito, os ministros do STF devem estar dizendo: “E daí?”

A atitude do STF de passar por cima do Congresso é muito séria e merece uma resposta firme do povo, que tem o direito e o dever de sair às ruas e manifestar democraticamente: “Somos o povo brasileiro e vocês estão demitidos!” Se o povo permitir que o STF permaneça sem prestar contas dos erros que cometeu, será inútil queixar-se depois dos muitos outros problemas que ainda virão. Os povos que se dobram ao autoritarismo são por ele humilhados e escravizados.

A base do STF para justificar a equiparação da relação sexual de homem com homem com a relação sexual de homem com mulher, inclusive com o direito de adotar crianças, é o fato de que a Constituição não proíbe explicitamente a sodomia, que é considerada uma orientação sexual.

A Constituição também não proíbe explicitamente a pedofilia, que também é considerada pela classe de psicólogos como orientação sexual.

E agora?

Fonte: Julio Severo - http://juliosevero.blogspot.com/






O STF, a Constituição e a sodomia

Parabéns ao Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal desafia a Constituição e garante uniões civis homossexuais

O politicamente correto é o AI-5 da democracia

Sobrou alguém para defender o casamento tradicional?

Em defesa do casamento: quando direitos são usados para exterminar a liberdade

Se perdermos o casamento, perderemos tudo

“Casamento” gay traz perseguição para pastor que ajudou mãe e filha a escaparem da insanidade estatal pró-homossexualismo

Dupla gay Devassidão e Mentira ditam as ordens na imprensa brasileira

De “cristão revoltado” a homossexual defensor da pedofilia

Pedofilia é “orientação sexual”, especialistas dizem no Parlamento do Canadá

6 comentários:

  1. blá blá blá...se vc naum tem argumento ñ apela...falow? Fica com Deus

    ResponderExcluir
  2. Que texto mais preconceituoso e atrasado. O Sr. deveria ter vergonha ao redigir e posteriormente publicar um texto desses. Não sou homoafetivo, mas não consigo ver a razão da qual duas pessoas do mesmo sexo não podem se casar, ter filhos. São pessoas como o Sr. que atrasam o desenvolvimento do país, fazendo da sociedade marionete de costumes hipócritas. As pessoas tem o direito de gostar e de manter relações sexuais com quem elas bem entenderem, seja do mesmo sexo, seja com mais de uma pessoa, todos temos o direito de estar com quem quisermos. O Sr me envergonha. Um professor, estudado, com uma mente tão perturbada como a sua. Sinto pena do Sr.Que texto mais preconceituoso e atrasado. O Sr. deveria ter vergonha ao redigir e posteriormente publicar um texto desses. Não sou homoafetivo, mas não consigo ver a razão da qual duas pessoas do mesmo sexo não podem se casar, ter filhos. São pessoas como o Sr. que atrasam o desenvolvimento do país, fazendo da sociedade marionete de costumes hipócritas. As pessoas tem o direito de gostar e de manter relações sexuais com quem elas bem entenderem, seja do mesmo sexo, seja com mais de uma pessoa, todos temos o direito de estar com quem quisermos. O Sr me envergonha. Um professor, estudado, com uma mente tão perturbada como a sua. Sinto pena do Sr.

    ResponderExcluir
  3. URGENTE. COMENTÁRIO ATUALIZADO.

    Caro amigo Pr. Luis Cavalcante, paz. O Hermes Fernandes, a turma do Genizah, o Edu Medeiros, o Claudio Nunes, o Caio Fábio e cia, devem estar muito felizes com o STF. Afinal, nós da equipe do Júlio Severo nunca tíamos razões mesmo, sendo sempre ridicularizados e escanteados, por nossa posição ao declarar a verdade do assunto.

    Bem, quero lhe dizer que a perseguição já chegou até mim. Eles tem me monitorado e fui demitido do meu cargo de Capelão e a notícia foi dada por um Homossexual de um grupo ativista que atua na minha cidade, na minha porta. Mas, sei que meu Senhor não deixará faltar nada prá mim, minha esposa grávida de 7 meses e minha filha que está chegando. Estou experimentando o que Júlio passou com seus filhos. Seria bom denunciá-los em seu blog, se possível. Agradeceria muito.

    Estou profundamente decepcionado com a CGADB e sua omissão neste episódio. A luta pelo poder os deixou tão ocupados, por ocasião do Centenário, que não tiveram tempo de ver o estrago que o inimigo fizera. Com certeza, com o devido respeito, Pr. Silas Malafaia (apesar de falho como qualquer outro) teria evitado isso se estivesse à frente da mesma, pois ele é o único empenhado ao máximo.

    Já imaginou, usar nossas revistas de EBSs para saturar nosso povo de informações a respeito de tais ameaças e como reagir, Mensageiro da Paz, demais periódicos e meios virtuais e televisivos? Já pensou se ele pedisse aos Pastores dos 27 Estados, que trouxessem cada um os abaixo-assinados de todos os membros de seus respectivos estados, para levar ao Congresso barrando tais leis anti-cristãs?

    Corre na Internet comentários de que, por ele ser Maçom não poderia se manifestar contra o Movimento Gay, pois a Maçonaria é a que mais apoia eles. Há um vídeo inclusive, de um Ex-Maçom grau 33 chamado Stefanis Saad, hoje pastor, que o acusa formalmente. São 3 vídeos, este é o 3º. Veja o Link:
    http://www.youtube.com/watch?v=Pa3MGz4Ikuw

    Este outro afirma que ele falsificou documentos para o curso de Direito.
    http://www.youtube.com/watch?v=gRjlbrlA-Hs&feature=player_embedded

    Tais acusações não podem ficar sem resposta, senão configura revelia, isto é, quem cala consente. Ele precisa nos dar sua defesa.

    Só da Assembléia de Deus são quase 30 milhões, somando um total de 50 milhões de Evangélicos no País, que estão sofrendo essa humilhação do STF por falta de União e Organização.

    Algo parecido estar acontecendo com as cantoras chamadas hoje blasfemamente de "Divas". Aline Barros, Cassiane, Fernanda Brun, Ana P. Valadão, etc. Por terem assinado contrato com Gravadoras Pró-Gays não poderiam se pronunciar. Preferem a fama e o dinheiro, do que a vergonha da Cruz de Cristo.

    Sem falar que o STF não aprovou a Lei de Ficha Limpa que deveria, não julgou os Petistas do Mensalão mas, aprovou a união homoafetiva que não era de sua competência pois, acabaram criando uma Lei e criar Lei só o Congresso pode. E isto fizeram para agradar quem os nomeou Lula/Dilma. Sem falar que Dilma, segundo Dep. Manoel Ferreira que representava por ocasião das eleições os evangélicos, disse que ela se comprometeu em cartório a permitir que tal assunto viesse a ser discutido apenas no CONGRESSO.

    Rasgaram a Constituição e pisaram na Democracia, o que é muito perigoso. Mas, não podemos nos calar. Temos que pressionar nossos líderes. Ainda temos a PL 122, PNDH 3 e o Kit Gay. Devemos também divulgar o Plebicito que Marco Feliciano está promovendo para derrubar a ação do STF. Informe tais verdades ao Pr. José Carlos, sei que ele pode muito influênciar neste cenário, pois para isso Deus vos levantou. Para ser Sal e salgar. Senão, seremos pisados pelos Hom(ossexuais)ens.

    Forte abraço, paz.
    Obrigado e apareça em nosso Blog
    SOMENTE A VERDADE.
    resistenciacristaj.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Pois bem, li atentamente e imprimi o texto para análise e notei uma certa ignorancia em conhecimentos dos quais são necessários para tal manifestação preconceituosa. Sou especialista e me especializo nas questões de pedofilia e casos de homossexualidade e suas vertentes então, acho necessário explicar tais nomenclaturas que foram expostas equivocadamente! Percebe-se que o texto tenta induzir ao erro e a relevância de um preconceito sem escrúpulos ao assimilar um pedófilo com um homossexual tentando levar o leitor a uma opinião própria sem fundamentação legal ou científica como houve anos atrás onde alegavam que comunistas eram canibais e comiam criancinhas. Primeiramente devo esclarecer o senhor que pedofilia é um disturbio psiquiátrico onde tem excitação ou prazer sexual com crianças na primeira infância, ou seja, crianças de 0 a 6 anos, acima disso chamamos de eterofilia do qual não pode ser confundido e estudado profundamente, pois, a pedofilia não consiste somente no crime e no ato em si, e sim num disturbio do qual pode ser tratado precocemente, e entre as vertentes do estudo estão as influencias religiosas, economicas, sociais e culturais. Então tal assimilação como homossexualidade é um erro grave e absurdo e preconceituoso! Vale lembrar que homosexualismo deixou de ser doença desde 1985, tornando a nomenclatura para homssexualidade que significa como modo de ser, tais decisões estão embasadas em fundamentações científicas ja publicados pela American Scientist (Principal revista cientifica de nivel internacional) onde demonstra que o homossexual nasce com isso, onde até suas movimentações neurológicas funcionam como a do sexo contrário, ou seja, esta em suas entranhas fora do alcance de todos, e que se não bem trabalhado pode ocorrer problemas psiquiátricos graves levando ao suicídio e esquisofrinia! Notei que utiliza muito a palavra casamento, mas sabemos que casamento é uma palavra de origem de cunho religioso e, o seu uso nas questões de união entre homossexuais e é errada e equivocada onde é divulgada pelos meios de comunicação e por leigos de forma inapropriada, então o STF está correto em usar a nomenclatura União Homoafetiva. O STF não cometeu erro algum em tornar tal união dentro da lei, pois somos todos iguais perante a lei, independente de credo, raça ou cor, e tal principio abrange pelo princípio da dignidade humana que também une a sexualidade que também não é motivo para ser rejeitado. Também vale lembrar que o STF só formalizou uma realidade que já tem acontecido a anos dentro dos Tribunais brasileiros. Ai, entramos em suas alegações que estão embasadas em dogmas religiosos sem embasamento cientifico e no livro sagrado em hebraico, que não teve alterações em suas escrituras e manipulações com traduções divergentes com regras das igrejas, vale lembrar que não se deve confundir regras dogmaticas, com regras culturais de uma certa igreja e as verdadeiras escrituras ditas por Cristo. Tal manifestação do senhor não há fundamentação e sim só uma simples demonstração de discórdia e desconhecimento dos fatos. Lembre-se que o Brasil escolheu em sua CF ser um país laico, ou seja, sem influencia dogmatica e religiosa em suas decisões e orgãos governamentais sejam eles do poder Executivo, Legislativo e Judiciário, ou seja, todas as leis e decisões efetuadas por parlamentares, juizes ou minsitros que forem com embasamento religioso ou para favorecer uma certa religião serão revisadas ou consideradas inconstitucionais. Então nota-se que isso é uma forma de dar o direito a todos na forma dentro da lei, sem discriminação da pessoa humana. Lembre-se que tanto quanto nas leis e na Bíblia há o livre arbítrio e que se não é capaz de amar o próximo como a ti mesmo, respeita-o que estarás fazendo o mesmo! Peço também que publique quais artigos dizem que pedofilia é orientação sexual, pois até então tais publicações não ocorreram pelos meios de comunicação confiáveis e nem nas juntas da comunidade científica! [...}

    ResponderExcluir
  5. Percebo também que logo abaixo segue um comentário de um colega que colocou a Maçonaria no meio, mas deve saber que a maçonaria é um dos orgãos mais respeitados do mundo, onde respeita o ser humano seja ele da forma que escolheu ou é, pregam e ajudam a uma sociedade com paz e equilibrio! Tome muito cuidado com suas palavras e a forma que repassa aos leitores e ouvintes. Também vale lembrar que a democracia foi feito pois as manifestações e pedidos foram feitos a anos, só que atualmente que veio a ser divulgado. Vale lembrar que basta identificar dentro da justiça os casos e processos não publicados de pastores que se alegavam ex-homossexiuais que pedem divorcio pois sabem que não existe como ser um ex-homossexual. Será que certas igrejas assembleianas se sentem e publicarão homossexuais de sua igreja que se suicidaram por depressão e por se sentirem rejeitados por notarem que não houve mudança dentro de sua formação? E será que publicam casos de divorcios que sao fundamentados em seus autos onde é demonstrado pastores "ex-homossexuais" que embora casados e com família formada acabam tendo relações homossexuais extraconjugais? Bom, é um dos fatos que mais acontecem, será que o senhor tomou tal conhecimento? Porque tanto se incomoda? Se o senhor não é homossexual porque se preocupar com tal fato? Lembre-se que homossexuais não geram filhos pois são casais do mesmo sexo, mas os homossexuais de hoje foram gerados por casais heterossexuais com religião e caráter definidos, sejam eles protestantes, catolicos, islamicos, mulçumados, etc. E se homossexualidade fosse uma escolha, o senhor acha que a pessoa escolheria ir pelo caminho mais difícil, onde sofrerá preconceitos, negação de muitas religiões, amizades e convívio social? Se quer se manisfestar publicamente a respeito desse assunto, cuidado, pois até percebo um certo conhecimento religioso no senhor limitado a sua igreja com seus dogmas, mas há uma ausencia de conhecimento científico a respeito do caso e ausencia em sabedoria! Se fosse sábio, conquistaria pessoas e não divulgaria discordia e preconceito tamanho! Tomei a liberdade e pegar o texto para debate e análise nos orgãos competentes! Obrigado!

    ResponderExcluir
  6. Retornando... Agora ao reler resolvi complementar minha resposta entrando mais na esfera técnica e jurídica...

    Em que pese o mandado de injunção não ter sido a espécie de ação analisada pelo Pretório Excelso que originou esse artigo baseado em pilares que não os do ordenamento jurídico brasileiro, certo é que esse procedimento possui o denominado "efeito concreto", assim entendida a possibilidade de o Poder Judiciário, ante a uma omissão inconstitucional do Estado, seja ela do Executivo ou, o que interesse agora,do Legislativo, fazer as vezes do Poder Estatal omisso, seja regulamentando ou legislando acerca da matéria levada ao seu conhecimento. Tal efeito é necessário à dar aplicabilidade plena ao inciso LXXI do artigo 5º da Carta Magna, na medida que torna útil mencionado remédio constitucional, garantindo, na prática, o resultado pretendido pelo impetrante. Esse efeito, no entanto, não é questionado em outras matérias, de modo que também não o deveria ser, agora, quando da discussão sobre a união homoafetiva. Isso porque o que pretendeu o STF e, diga-se, democraticamente atingiu, foi justamente dar eficácia social à sua decisão, à mingua de legislação pertinente, tal qual ocorre no mandado de injunção. Sobre o efeito concreto, diga-se também, trata-se de uma construção jurisprudencial já que, mais uma vez, o Lelislativo foi omisso e não editou lei tratando sobre o mandado de injunção.
    Nesse passo, diante desse flagrande cenário de omissão legislativa, os Ministros do Supremo (que, vale lembrar, passam a ser Ministros após a sabatina do Senado Federal, que por sua vez, faz parte do Poder Legislativo e, portanto, não estão lá por acaso, mas sim representando a nação brasileira) agiram de maneira correta ao proferir a discutida decisão.
    O que se decidiu, ao contrário do que faz crer o artigo acima exposto, não se tratou de um "jeitinho brasileiro", mas sim da técnica jurídica de interpretação conforme a Constituição, prevista no artigo 28, parágrafo único, da Lei 8.882/99.
    Ressalte-se, por oportuno, que mencionada Lei, que autoriza a tecnica utilidada pela Corte Maior, foi editada pelo próprio Poder Legislativo, que não pode, agora, pretender que tal decisão foi tomada em usurpação às suas funções constitucionais. Afinal, se efetivamente se importasse em legislar, o teria feito muito antes de o caso julgado ter que chegar à cúpula do Poder Judiciário para encontrar uma solução.

    ResponderExcluir